Baixa procura por vacina preocupa em Sidrolândia

Saúde do município anuncia dois casos confirmados e oito suspeitos

19 MAI 2017Por Mauro Silva09h52

Sidrolândia ainda não atingiu 50% do índice de cobertura vacinal dos grupos prioritários, e a Secretaria Municipal de Saúde alerta que o vírus da Influenza (gripe H1N1) está circulando na localidade, causando vítimas.

O secretário municipal de Saúde, Nelinho Paim, participa na manhã desta sexta-feira, 19/05, da reunião da CIB (Comissão Intergestores Bipartite) em Campo Grande/MS, onde a vacinação contra a Influenza é um dos temas abordados.

A coordenadora de Saúde Pública, enfermeira Tatiane Nantes, disse ao Departamento de Jornalismo da Rádio Pindorama Jota FM, que a preocupação é grande porque em Campo Grande uma criança de dois anos morreu em razão da Influenza, e em Sidrolândia há dois casos confirmados, sendo o mais recente, de uma gestante. Ainda há oito notificações, que aguardam o resultado dos exames laboratoriais.

O que chama a atenção, é que grande número de pessoas que compõem os grupos prioritários não querem tomar a vacina, sendo este o motivo do baixo percentual de cobertura vacinal em Sidrolândia/MS.

Há ainda muitos professores, idosos e outros grupos que não procuraram as unidades de saúde, e apesar da ampla divulgação, não se interessam em se imunizar, ficando em risco de contrair a doença.

Conforme o Ministério da Saúde e a SES (Secretaria de Estado de Saúde), este ano foram incluídos os profissionais de educação da rede de ensino básico (Ensino Regular, Especial e Educação de Jovens e Adultos – EJA) e superior das escolas públicas e privadas. Também fazem parte do público-alvo: Pessoas com 60 anos ou mais de idade, crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos de idade (quatro anos, 11 meses e 29 dias), gestantes puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores de saúde, povos indígenas, grupos portadores de doenças crônicas e outras condições clínicas, população privada de liberdade e profissionais do sistema prisional.

A SES lembra que a vacinação continua sendo o método mais eficaz para evitar o agravo da doença, além das medidas de cuidado de rotina como a utilização de álcool em gel para lavar as mãos e evitar locais fechados e com pouca ventilação.

A campanha anual tem contribuído para a redução das complicações decorrentes da gripe nos grupos vacinados, além de contribuir para diminuição das internações hospitalares, mortalidade evitável e gastos com medicamentos para o tratamento de infecções secundárias.  

O Ministério de Saúde anunciou que a campanha de vacinação contra a gripe termina no dia 26 deste mês.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também