Casal é condenado a 48 anos de prisão por deixar filha morrer desnutrida

A bebê de 7 meses tinha hidrocefalia e teve a sonda de alimentação retirada pelos pais.

09 FEV 2019Por Elda Braga-internet00h00

Foram condenados a 48 anos de prisão, Lorrayne Guimarães Torres e Gilson Gonçalves, ambos acusados da morte de sua própria filha, Ayla Gabrielly Torres, com pouco mais de 1 mês de vida.  A criança tinha hidrocefalia e morreu desnutrida na casa de uma vizinha do casal, enquanto a mãe estava em um pagode e o pai assistindo futebol. 

O julgamento do caso durou quase 12 horas e foi realizado no Tribunal do Júri de Corumbá, cidade a 419 quilômetros de Campo Grande.

Os jurados acataram a tese do Promotor de Justiça Fabio Adalberto Cardoso de Morais, condenando a dupla por homicídio triplamente qualificado: meio cruel, asfixia e recurso que dificultou a defesa da vítima. 

Ao fim da sessão o juiz Deyvis Ecc fixou a pena de 24 anos de prisaõ para cada réu.

Frieza – A pequena Ayla Gabrielly nasceu com hidrocefalia (acúmulo de líquido no cérebro) aos 7 meses de gestação em dezembro de 2015. Como a bebê não tinha capacidade de sucção e nem de engolir alimentos, ela ficou internada no berçário do hospital de Corumbá, sendo alimentada apenas por sonda.

Depois de 23 dias, no entanto, os pais não quiseram mais retornar ao hospital e retiraram a criança da unidade, mesmo cientes de todos os riscos e necessidades da bebê.  Além de não prestarem os mínimos cuidados à criança, os pais retiraram a sonda dela, única forma que a alimentava, a deixando sem alimentação e, consequentemente, desnutrida.

No dia 24 de janeiro de 2016, no início da noite, a mãe deu mamadeira para a bebê e a deixou na casa de uma vizinha, dizendo que precisava ir apenas a um aniversário e voltaria logo, mas, na verdade, ela foi para o 'Pagode da Pesada'. Já o pai ninguém sabia onde estava até então.

Naquela noite a bebê morreu por bronco-aspiração por meio líquido e absolutamente desnutrida.A mãe só chegou à residência 3 horas da manhã, completamente bêbada, já com o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) em sua casa.

Mas como o médico não viu sinais de violência na criança, não acionou a polícia. Com isso pai e mãe ainda dormiram com a bebê morta em casa.  Pela manhã, a mãe saiu pelas ruas com a bebê no colo e o pai, sem se importar, ficou em casa assistindo a final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, entre Corinthians e Flamengo.

Em depoimento na delegacia ele ainda ter feito questão de dizer que o jogo estava 2 x 0 para o Corinthians, quando os policiais chegaram em sua casa.  Os pais foram presos e na residência, foram apreendidas quase 160 trouxinhas de pasta base de cocaína em um pacote de fraldas da criança.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também