Vereador Márcio fala sobre CPI em entrevista na rádio JFM

A entrevista do vereador Márcio destacou a importância de um processo transparente e rigoroso na administração pública

23 MAI 2024Por Redação Ap.Taboado 07h00

No programa "Ronda da Cidade" desta quarta-feira, o vereador Márcio concedeu uma entrevista exclusiva à jornalista Nilda Telles para discutir a polêmica envolvendo a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). Durante a conversa, o vereador abordou as recentes mudanças no cenário político local e os motivos que levaram à abertura da CPI.

"Bom dia a todos os ouvintes da rádio JFM, obrigado pelo convite, é um prazer estar aqui com vocês", iniciou Márcio. Ele comentou sobre a agitação no período eleitoral: "Eu nunca vi um período eleitoral tão conflagrado. A mudança de vereadores no final do mandato é uma situação atípica, especialmente com a determinação judicial. Houve a mudança do vereador Moisés, a saída dos vereadores Gustavo e Taturano, e a entrada dos vereadores Gilson e Mateus. Isso realmente altera a rotina da casa".

A conversa se aprofundou na questão da CPI, especialmente em relação ao asfalto das ruas Belo Horizonte e Minas Gerais. Márcio explicou que muitas pessoas confundem o papel de uma CPI. "Ela é uma Comissão Parlamentar de Inquérito, mas também existe a Comissão Processante que pode ser formada após as análises da CPI. A CPI pode levar até 120 dias para apurar os fatos. O que tentamos fazer é trazer a verdade para a população", esclareceu.

O vereador também falou sobre a necessidade de respeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal ao realizar obras. "O asfalto só poderia ser permitido com um cálculo para um aditivo, respeitando a lei. Algumas obras podem ser aditivas no máximo até 25%, mas isso é um processo posterior. Então, se alguém deu ordem para iniciar a obra sem passar por todos os trâmites, precisamos apurar isso", afirmou.

Em relação à Rua Belo Horizonte e à Rua Minas Gerais, Márcio foi categórico. "Essas ruas não estavam no contrato inicial de asfaltamento. Existem áudios que precisamos acessar para confirmar se houve uma prévia autorização para iniciar essas obras. A CPI vai servir exatamente para apurar essa responsabilidade".

Sobre a transparência da administração municipal, Márcio elogiou o prefeito Zé Natan. "O prefeito sempre trabalhou com uma transparência ímpar. Ele explicou que da parte dele não houve má fé. Precisamos apurar se alguém da prefeitura, como o secretário adjunto de obras, deu ordens sem o devido processo", disse o vereador.

Márcio também comentou sobre a percepção de que CPIs geralmente terminam sem resultados concretos. "No contexto geral, as CPIs têm a fama de terminar em pizza. Mas estamos aqui para tentar trazer a verdade, fiscalizar e cobrar responsabilidades", finalizou.

A entrevista do vereador Márcio destacou a importância de um processo transparente e rigoroso na administração pública, especialmente em tempos de agitação política. A CPI, segundo ele, é uma ferramenta crucial para garantir que todas as ações sejam feitas dentro da legalidade e com responsabilidade.

Deixe seu Comentário

Leia Também