Operação contra PCC fez buscas na Capital e Aparecida do Taboado

Dos 142 mandados de prisão em 45 cidades do Brasil, 62 foram cumpridos dentro de presídios. Todos tinham atuação em SC.

01 MAR 2021Por Campo Grande News 07h24

A Polícia Federal em conjuntos de vários outros órgãos de segurança pública cumpriu 142 mandados de prisão contra integrantes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), em 45 cidades de 6 estados do Brasil. Em Mato Grosso do Sul, foram cumpridos mandados em Campo Grande e Aparecida do Taboado.

 Além das prisões foram cumpridos também 142 mandados de busca e apreensão.  Ao todo participaram da megaoperação 400 policiais civis, militares, rodoviários federais, agentes do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas) e penitenciários.

Conforme informado na coletiva por videoconferência , dos mandados de prisões, 62 foram cumpridos dentro de presídios.

Não foi especificado detalhes do cumprimento de mandados na Capital e em Aparecida do Taboado.

A investigação teria iniciado há 9 meses em São Miguel do Oeste quando o Gaeco identificou que faccionados tentavam expandir a organização tomando cidades menores e posteriormente chegar ao litoral e assim tomar o estado de Santa Catarina.

Segundo o delegado do Gaeco Eduardo Matos Integrante do núcleo, foram identificados ao menos 18 cargos dentro da facção. Entre eles há quem é responsável por manter o cadastro dos faccionados, outro para gerir a venda de drogas, há quem fica responsável por armazenar drogas e armas, outro para tratar de demandas dos internos do sistema prisional, há o geral da rua 9cargo mais elevado) responsável por dar aval a execuções de desafetos e integrantes que cometem falta. “Em estados predominantes há mais cargos e aqui (SC) eles estavam já expandindo esses cargos”, informou.

Além da relação com tráfico de drogas, os integrantes seriam responsáveis por pelo menos 11 homicídios, 1 tentativas de homicídios, 1 sequestro e vários roubos. “Encontramos vários vídeos de execuções, além de informações relacionadas ao tribunal do crime onde são definidas as mortes”, disse Matos.

De acordo com a Promotora de Justiça Marcela de Jesus Boldori Fernandes, apesar das prisões ocorrerem em vários estados, o objetivo dos integrantes era chegar no litoral e com foco em Joinville por causa da proximidade dos portos, Argentina e Paraguai. “Todos presos hoje, embora foram presos em várias cidades, tinham atuação e identificação em Santa Catarina”, afirma.

Durante a prisão, um dos integrantes afirmou ainda que a facção atua em 27 estados do Brasil e 28 países.

A Operação Maserati, como o nome da marca de veículos luxuosos, é resultado de investigação que identificou a expansão da atuação da facção criminosa com foco na região de fronteira entre as cidades de São Miguel do Oeste, Chapecó e Dionísio Cerqueira, assim como Joinville em razão da proximidade dos portos de Santa Catarina e Paraná.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também