Fiscalização ambiental aperta o cerco e até caçadora é detida

PMA e Ibama intensificam cobertura em todas as regiões de Mato Grosso do Sul

12 FEV 2018Por Rádio Jota FM/Edson Moraes13h33
assembleia

Com a grande extensão de fronteira seca e áreas de difícil acesso, os órgãos de repressão e fiscalização intensificaram suas ações em Mato Grosso do Sul. Os crimes ambientais e até o contrabando de pneus se somam aos delitos mais recorrentes no Estado. Nas últimas semanas, uma caçadora foi presa pela Polícia Militar Ambiental e o Ibama apreendeu uma  carga de pneus contrabandeados.

Apesar do rigoroso monitoramento, há quem desafie as autoridades praticando atividades sob restrição como a caça, que é proibida, e a pesca extrativa, vedada em todos os rios de novembro a fevereiro. Com frequência, nas rodovias que cortam o País, são apreendidos carregamentos de animais silvestres capturados em território sulmatogrossense, como pequenos mamíferos e várias espécies de aves, entre as quais papagaios, araras e periquitos.

No domingo, 11, em Nova Andradina, região Leste do Estado e a 301 km de Campo Grande, uma mulher de 28 anos foi detida por soldados da PMA de Batayporã. Ela estava caçando em uma propriedade rural. Três pessoas a acompanhavam. A mulher, cujo nome não foi revelado, estava com uma espingarda calibre 12, carregada. e não tinha porte de arma. Foi autuada em flagrante e recebeu voz de prisão. O porte ilegal de arma é crime que prevê pena de dois a quatro anos de prisão.

MADEIRA - Em Anastácio, a PMA de Aquidauana, durante a “Operação Carnaval”, apreendeu na sexta-feira, 9, uma carga ilegal de aroeira e baraúna. As espécies, que estão sob o regime de manejo e proteção ambiental, eram conduzidas em um caminhão. A fiscalização constatou que o Documento de Origem Florestal (DOF), guia exigida para transporte e armazenamento de qualquer produto vegetal, não era compatível com a carga.

Uma portaria do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis) proíbe o corte sem plano de manejo da aroeira e outras madeiras nobres. Esse plano precisa ser aprovado pelos órgãos ambientais, inclusive para desmatamentos autorizados. O caminhão e os 6,8 metros quadrados de madeira foram apreendidos. O motorista, morador de Anastácio, agora vai responder por crime ambiental que pode acarretar-lhe de um a dois anos de prisão, além da autuação administrativa e multa de R$ 2 mil 046,00.

NA FRONTEIRA – Outra preocupação das autoridades é com o amplo espaço que as fronteiras de Mato Grosso do Sul com a Bolívia e o Paraguai oferecem aos criminosos. Além do tráfico e contrabando de drogas, armas, cigarro, eletro-eletrônicos, veículos e bebidas, esses corredores estão sendo cada vez mais utilizados no escoamento ilegal de produtos como pneumáticos e confecções.

Em novembro do ano passado, alertado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Ibama apreendeu 2,3 mil pneus que eram trazidos ilegalmente do Paraguai em um caminhão. O produto foi comprado no país vizinho e entrou no Brasil por Ponta Porã, com destino a Mogi-Mirim (SP), de onde seria revendido. Os pneus são fabricados em países como China, Turquia, Alemanha e Taiwan, entre outros.

assembleia 1

Deixe seu Comentário

Leia Também